domingo, 3 de novembro de 2013

Análise crítica baseada em questões do filme: O Clube do Imperador



1) O filme narra a historia de um professor (Hundert) e um aluno displicente (Bell) e mal educado que é obrigado pelo pai, um rico senador e um dos principais mantenedores da escola, a estudar. Desde o primeiro dia de aula, ele fica tentando chamar a atenção de todos com suas gracinhas de mau gosto. O professor Hundert o aconselha a deixar a estupidez de lado e estudar, empresta-lhe um livro dizendo que todas as matérias e assuntos estão nele e que irão ajudá-lo no Concurso Julio Cesar e o vencedor ganhará um coroa de louros como na Roma Imperial. O aluno Bell se dedica aos estudos. O drama tem inicio quando Hundert está avaliando o ensaio dos alunos e fazendo a lista dos classificados, ao perceber que Bell foi bem nas provas mas não ficou entre os três finalistas, Hundert entra em conflito. Ele acredita que Bell merece uma chance, mesmo sabendo que outro aluno tinha se saído melhor nas provas, deixa seus princípios éticos de lado e levado pela emoção, coloca Bell entre os três finalistas. Durante a final do concurso, Hundert percebe que Bell está colando e tentando corrigir uma injustiça, pois para o professor, a vida de um cidadão deveria ser regida por princípios de integridade e honestidade, comunica o diretor o que estava ocorrendo. E então percebe que os valores que ele pregava e acreditava não eram compartilhados pelo diretor, que ao saber do fato simplesmente diz a Hundert para ignorar o ocorrido, pois o pai de Bell estava presente. Desacreditado na capacidade de a escola mudar o caráter do ser humano, Hundert se decepciona, numa tentativa de aplacar sua consciência moral e ser justo, faz então uma pergunta que não estava no contexto e Bell responde dizendo que não sabe. Na decisão de Hunter, os princípios morais envolvidos foram a ética, integridade, justiça e caráter. Quanto à decisão de Hundert em relação à manipulação dos resultados das provas para a classificação final e do resultado final do concurso, acredito não ter sido uma decisão correta, pois nas duas situações ele se deixou levar primeiramente pela emoção e não pela razão. Na tentativa de recuperar Bell e acreditar ser capaz de mudar o seu caráter e sua conduta, esqueceu de todos os princípios que acreditava e pregava, a ética e a retidão de conduta, o que o levou a um grande conflito moral e a culpa por ter prejudicado o aluno desclassificado. Quando 25 anos depois Bell o convida para mediar uma revanche ele aceita imaginando que a vida havia ensinado caráter e integralidade ao aluno novamente ele se decepciona ao perceber que Bell esta novamente colando e lhe mentiu e enganou.

2) O filme nos mostra que o ser humano é imperfeito. A falta de caráter e a desonestidade existem em todos os lugares e até mesmo pessoas que sempre seguem esses princípios, podem uma hora ou outra, ter algum deslize. Como quando o professor apostou na mudança do Sedgewick, passou por cima dos seus princípios para classificar o aluno e acabou descobrindo que ele estava colando na final do concurso.

3) É que os princípios morais como a ética, respeito, justiça, caráter, transparência, com foco maior no caráter não se molda e não se transmite, mas que vamos construindo desde a infância ao longo do que vamos vivenciando. Porém esse conjunto de regras de conduta, às vezes são deixados de lado pelo ser humano como aconteceu com o professor, causando marcas na sua trajetória da vida. Podemos apontar as cenas onde o professor Hundert fica impressionado ao perceber o esforço do aluno e começa a lhe estimular, emprestando livros, e na sala de aula, com tudo isso ele ficou classificado em quarto lugar e o professor desviando-se de seu caráter, acaba alterando o conceito e deixando o aluno em terceiro. Para sua decepção, na final do grande concurso, ele se depara que seu aluno não mudou em nada, estava colando para responder as perguntas e o professor para não continuar prejudicando os outros, resolveu fazer justiça e mudou imediatamente a pergunta, gerando em si um conflito moral. Quando retornam para um reedição do concurso ele percebe que o aluno estava colando novamente e que não havia aprendido nada com a vida.

4) Quanto a decisão do professor acredito ser correta no sentido que alterou a pergunta final para fazer justiça, tentando recuperar o erro, mas no sentido de alterar o conceito para beneficiar um determinado aluno, acho errado, pois prejudicou outros e foi contra seus princípios morais, custando-lhe anos de angústia e preocupação.

Nenhum comentário: